VIOLETA

VIOLETA

VIOLETA
(Viola odorata, Viola alba, Viola imberis, Viola martia).
 
 
FAMÍLIA: Violáceas.
 
DESCRIÇÃO: Planta cultivada nos jardins, pelo encanto das florezinhas. Raiz nodosa, ramosa, esbranquiçada, munida de numerosas radicelas fibrosas. Haste nula. Folhas radicais, longipecioladas, arredondadas, ovais, ou reniformes, cordiformes, de bordos crenados, empubescidas, verde-escuras. Flores violáceas ou azul-purpúreas, raramente brancas, muito aromáticas, solitárias, longipedunculadas. O pedúnculo é recurvado superiormente à semelhança de uma bengala. Cálice de 5 sépalas. Corola de 5 pétalas. O fruto é uma cápsula globulosa, felpuda, unilocular, polisperma.
 
USO MEDICINAL: As flores das violetas constituem um remédio vulgarmente empregado para combater a tosse, inclusive a coqueluche. São também emolientes e diaforeticas. Empregam-se 10 gramas para 1 litro de água; 3 xícaras por dia.
A mesma infusão serve para gargarejos nas inflamações da garganta.
As folhas e, especialmente, as flores, são também um bom agente medicinal nas afecções bronquiais e no sarampo.
Em caso de resfriado o chá de violeta é bom para provocar a sudação.
 
PARTE USADA: Folhas e flores, por infusão.
 
DOSE: Flores, 10 gramas; folhas, 20 gramas em 1 litro de água; 3 xícaras por dia. 

Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.