Afta

Afta

 Para muitos, problema sem solução

 

Há casos em que a afta se transforma em problema extremamente incômodo: surgem inúmeras ulcerações na boca, que voltam sempre. Torna-se difícil comer e até articular palavras. Casos mais graves produzem má nutrição e mesmo desidratação, pois o paciente, devido ao extremo desconforto ao ingerir alimentos e líquidos, alimenta-se mal.

Os portadores de afta muitas vezes não entendem por que são tão freqüen­temente acometidos. Os médicos também ficam, não raro, intrigados. É fácil dar exemplos de pessoas que acabaram tentando o convívio pacífico com suas aftas, que teimam em voltar, apesar de drogas, pomadas, antibióticos etc.

É preciso não confundir a estomatite aftosa com a afta e as bolhas do herpes. A primeira acontece dentro da boca, enquanto a erupção do herpes costuma ocorrer nos lábios e em volta deles, sendo ocasionada por vírus.

 

Causas

 

Embora não se conheça bem a causa, os estudiosos do naturismo estão convencidos de que a afta é causada por distúrbios digestivos, particularmente desequilíbrios sutis na flora intestinal, e erros da alimentação, muitas vezes somados ao estresse emocional. Alguns distúrbios de natureza alérgica poderiam também favorecer seu aparecimento.

A hiperacidez do sangue e do estô­mago e a fermentação digestiva, agravada pelo mal funcionamento da vesícula, são as principais causas da afta, segundo os naturistas. Má nutrição,­ uso de antibióticos, anemia e ação de certos vírus seriam também fatores causais. Se esses fatores se somam à susce­tibilidade individual e à ansiedade, o risco é multiplicado.

Com base em muitas experiências de pacientes com esse problema que, após correção da dieta e estilo de vida, se curaram completamente, podemos afirmar convictamente que os naturistas não estão errados em sua postulação.

Bebida antiácida

 

Muito usada em clínicas naturistas européias, essa bebida, à base de sementes e tubérculos, traz resultados bastante animadores no caso de hiperacidez digestiva. Há experiências de pacientes de afta, gastrite, úlcera e azia que conseguiram curar-se com o uso perseverante dessa bebida, somado­ aos demais cuidados dietéticos. Graças às mucilagens e princípios inibidores da secreção ácida (como a solanina, da ba­­­­­ta­ta), age eficazmente como tampo­nante dos ácidos.

Como preparar: Deixar de molho, à noite, duas colheres, das de sopa, de linhaça e três colheres, das de sopa, de farelo de trigo em 700ml de água. De manhã, cozinhar durante meia hora para que se transforme em mucilagem espessa. Coar e misturar com o decocto de batata, conforme explicamos em seguida.

Decocto de batata: cortar em fatias 250g de batata crua (mais ou menos duas batatas médias), com a casca (lavada e escovada). Pôr para cozinhar em fogo brando, em 700ml de água, durante meia hora. Passar, então, numa peneira fina, a batata juntamente com a água, e misturar com a mucilagem anterior.

Como usar: Mexer bem e tomar em lugar do desjejum, ensalivando bem, mais ou menos a metade de todo o conteúdo. Guardar em refrigerador. A outra metade poderá ser tomada no lugar do almoço, ou na parte da tarde. O plano de alimentação deve seguir as instruções aqui já ministradas.

Casos mais severos poderão exigir o seguinte programa: Tomar, de duas em duas horas, aos goles, ensalivando bem, 200ml dessa mistura. Preparar, nesse caso, o dobro da quantidade que aqui especificamos. No começo, há quem não se sinta bem com essa bebida. Acostumar-se aos poucos.

 

Complexo B – poderoso auxiliar no tratamento da afta

 

Vários estudos sugerem que a afta pode associar-se, em algumas pessoas, a deficiências de vitaminas do complexo B. Sabemos de muitos casos em que a doença desapareceu com a administração desses nutrientes, particularmente a vitamina B12. Não havendo contra-indicação médica, pode-se manipular uma fórmula com os seguintes teores de vitaminas, preferivelmente amino-queladas*:

 

 

 

 

 

 

Essas quantidades constituem a dose de um dia para adultos e crianças maiores de 4 anos. Para crianças pequenas a dose é a metade.

Há no mercado complexos vitamí­nicos B, vendidos sem receita médica, que podem ajudar. A levedura de cerveja, como já foi explicado, na dose de 12 a 15 comprimidos diários, é um produto natural rico em complexo B, mas não é boa fonte de vitamina B12, a menos que seja enriquecida.

Muitas vitaminas são produzidas pela flora intestinal, que exerce papel decisivo na manutenção do equilíbrio nutricional do organismo. Os maus hábitos alimentares modernos, somados ao uso e abuso de antibióticos, destroem a flora do intestino. Para restaurá-la os procedimentos aqui indicados, como boa alimentação, uso moderado de iogurte e lactobacilos, exibem excelentes resultados.

 

Os lactobacilos

 

Há no mercado comprimidos à base de Lactobacillus acidophilus e Lactobacillus bulgaricus, bactérias benéficas, presentes no iogurte. Recomenda-se o uso diário desses comprimidos. A dose usualmente indicada é de 2 comprimidos quatro vezes ao dia, ou 2 comprimidos 3 vezes ao dia. Mas essa dose poderá variar conforme o fabricante e conforme o caso. Quem destruiu sua flora intestinal com freqüentes tratamentos com antibióticos obterá resultado particularmente positivo.

O Dr. Weekes realizou experiência com o lactobacillus da coalhada, envolvendo 174 pacientes portadores de afta, de diferentes idades. A dose administrada foi de 4 comprimidos diá­rios de Lactobacillus acidophilus-bulgaricus com um pouco de leite. O resultado da pesquisa foi muito animador: 95% dos pacientes obtiveram resultados favoráveis. Na maioria dos casos, as aftas desapareceram completamente. Na pior das hipóteses, houve nítida melhora. Esse experimento comprova nossa tese de que a afta é produzida por distúrbios digestivos relacionados a alterações da flora. Se somarmos ao uso de lacto­bacillus a desintoxicação, a bebida antiácida, a mudança de hábitos, algumas plantas (como veremos a seguir) e a administração de complexo B (levedura de cerveja), será muito difícil não conseguirmos a cura.

Sugestões naturais

 

Abacate — Mastigar folhas tenras de abacateiro, bem lavadas.

Agrião — Tomar, em jejum, o macerado de agrião em água. Deixar de molho em água a folha e os talos macerados. Coar e tomar.

Amora — Bochechar com suco de amora-preta, quente, adoçado com mel.

Caju — Aplicar no local o sumo dos brotos do cajueiro.

Cidra — Bochechar com o suco de cidra.

Jabuticaba — Espremer vinte unidades de jabuticaba madura. Cozinhar o suco. Diluir, se preciso. Coar. Boche­char várias vezes ao dia.

Manteiga de cacau — Aplicada localmente, no frio, evita ressecamento e aftas.

Marmelo — Triturar em um pouco de água as sementes do marmelo. Pode-se usar liquidificador. Coar e aplicar no local como cataplasma.

Mel — Fazer gargarejos e bo­chechos de solução de mel com um pouco de pedra-ume, sal de bórax ou vinagre.

Rábano — Tomar 100ml de suco de rábano por dia, misturado com água, meio a meio, dividido em várias vezes, de preferência antes das refeições.

Sal — Simples bochechos de água e sal podem ajudar.

Tintura de mirra — Encontrada em boas farmácias de produtos naturais, aplicada localmente ajuda a aliviar a dor da afta.

 

Comum e incômoda, associada a problemas orgânicos diversos, a afta é uma pequena ferida ulcerada na boca. Os médicos chamam esse distúrbio de estomatite aftosa. Geralmente não leva mais que uma ou duas semanas para desaparecer. Em alguns casos, desaparece em poucos dias, mas logo torna a surgir (estomatite aftosa recorrente).

 

 

Como deve ser a alimentação?

A princípio devem ser evitados alimentos ácidos e acidificantes. Entre os ácidos, destaquemos: limão, laranja, caju, abacaxi, alho, vinagre, cebola e pimentão. Entre os acidificantes, ponhamos em evidência: açúcar, massas brancas, carnes, doces, queijos e frituras.

Recomenda-se a ingestão de alimentos ricos em vitaminas do complexo B, como cereais integrais e quantidades calculadas de levedura de cerveja. Evitar também chocolates, nozes, molhos e temperos. Não misturar grande variedade de alimentos (observar combinação adequada). Mastigar muito bem: cerca de 50 a 60 vezes cada bocado. A boa mastigação é fundamental no tratamento da afta, pois previne e ajuda a curar distúrbios digestivos.

O uso da coalhada é recomendado pelo seu efeito corretivo sobre a microbiota intestinal. A presença de lactobacilos favorece a proliferação da “boa flora”. Pesquisas demonstram que o tratamento com lactobacilos do iogurte é muito benéfico para os portadores de estomatite aftosa. Sugerimos tomar só iogurte de manhã (um copo pequeno), duas ou três vezes por semana. Podem-se também tomar alguns comprimidos diários de lactobacilos, conforme indicação do fabricante (à venda em boas casas de produtos naturais ou farmácias).

 

Dieta terapêutica natural

Os estudiosos da alimentação natural como Shelton, Acharan e Waerland sugerem programa inicial de desintoxicação, como o seguinte:

No primeiro dia, passar com sucos, observando-se a seguinte seqüência:

8h — suco de lima-da-pérsia ou laranja-lima ou suco de mamão.

11h — bebida antiácida (ver como fazer em tópico adiante).

14h — suco de lima-da-pérsia ou laranja-lima ou suco de mamão.

17h — suco de cenoura.

20h — suco de maçã.

No segundo dia, desjejum de bebida antiácida (ver tópico seguinte), e em seguida comer algumas torradas de pão integral. Almoço de purê de batata (sem manteiga nem margarina) com legumes cozidos e cenoura crua ralada. No jantar, laranjas do tipo lima-da-pérsia.

No terceiro dia, repetir a ração do primeiro dia (sucos).

No quarto dia, repetir a ração do segundo dia, com a diferença de que no desjejum se deve tomar apenas um copo pequeno de coalhada, nada mais.

No quinto e sexto dias, desjejum de mamão e coalhada (comer primeiro o mamão, depois a coalhada). Almoço de sopa de legumes (não usar óleo e não acrescentar macarrão. Tomar devagar). Jantar de pêssego cozido e/ou maçã cozida com torradas de pão integral. Comer as torradas por último.

No sétimo dia, repetir a ração do primeiro dia.

Nas semanas seguintes, separar dois ou três dias por semana para jantar só mamão com coalhada e tomar suco de lima-da-pérsia ou comer só maçã em jejum.

Importante: Manter certo repouso nos dias de frutas. Havendo debilidade, adotar dieta menos rigorosa (substituir a primeira refeição por maçã; outras refeições normais e naturais). Consultar um especialista.

* Os suplementos nutricionais são úteis em muitos casos, mas a indicação e a dosagem individual devem ser estabelecidas por um profissional especializado.

 

Vitamina B1 1,5mg

Vitamina B2 1,7mg

Niacinamida 20mg

Piridoxina 2mg

Vitamina B12 6mcg

Plantas

 

Bochechos com chá forte de alfavaca, alcaçuz e/ou sálvia. Mastigar folhas tenras de abacateiro. Aplicar com algodão, no local, sumo de tanchagem ou de saião. Se a causa da afta for digestiva (na maioria das vezes é), tomar de hora em hora dois goles de chá amargo de losna, quássia ou carqueja (a dosagem tradicional é de uma colher, das de sopa, das plantas picadas para 350ml de água. Derramar água fervente sobre as plantas). Mascar folhas de alfavaca, losna ou boldo. Para prevenir aftas provocadas por hiperacidez (que são muito freqüentes), tomar regularmente chá de espinheira-santa, cálamo-aromático ou guaçatonga. Mesmo modo de preparo, duas a três xícaras ao dia. Para bochechos, o dobro dessa dose (não engolir).

 

É tradicionalmente indicado contra amigdalite, catarro, dis­pe­psia, tosse etc.

Modo de usar: Chá das folhas do abaca­teiro, 3 a 4 vezes ao dia (morno).

Abacate (Laurus persea)

Você sabia?


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.