Ovários, Cistos de

Ovários, Cistos de

 Que são os cistos de ovário? Como se manifestam?

 

Cisto é o espaço fechado dentro de um tecido ou órgão, revestido de epitélio, cheio de líquido ou, outra substância. Os­­­ cistos são tumores benignos.

Produzem variados sintomas, que dependem do seu tipo, tamanho, número e localização. Há casos de ovários policísticos, ou totalmente tomados por cistos. O sintoma mais comum é a “dor do lado”, na região correspondente ao ovário afetado.

A cirurgia é indicação comum. Recorre-se freqüentemente à ooforectomia, ou retirada cirúrgica do ovário (ou dos ovários), o que acaba trazendo sérios danos ao organismo. Como o ovário é a glândula secretora de hormônios sexuais, sua ausência produz menopausa precoce e envelhecimento mais acelerado. Há também conseqüências psíquicas. Por isso, é bom estudar cuidadosamente a razão risco/benefício de uma cirurgia.

 

“Lixeiras” do corpo

 

Os naturopatas consideram os cistos como lixeiras do corpo, onde são depositadas “toxinas” do metabolismo.

Uma desintoxicação profunda e bem conduzida costuma produzir resultados interessantes. Já vimos mulheres portadoras de cistos ovarianos que, perseverando no tratamento natural, surpreenderam-se ao constatarem, em exames posteriores, que os cistos haviam diminuído.

 

Banhos e aplicação de argila

 

Tomar um banho quente de assento de quinze minutos antes de dormir. Tomar banhos frios rápidos, seguidos de fricção com água fria, para estimular a circulação geral. De manhã, uma hora e meia de aplicação de argila (ver página 114). Pelo menos três vezes por semana, um banho genital.

Alimentação

A alimentação moderna oferece inúmeros fatores de desestabilização hormonal, como os hormônios sintéticos presentes nas carnes. Aliados a isso, aditivos químicos, gorduras, deficiência de fibra, açúcar e guloseimas tornam nossa alimentação uma das maiores ameaças à vida. Como se não bastasse uma comida de má qualidade, as mulheres fumam, usam drogas, levam vida sedentária e estressante. Basta um desses fatores para criar condições propícias ao aparecimento de problemas no delicado sistema reprodutor feminino.

Por isso, é básico recomendarmos a adoção de dieta natural, saudável, conforme indicado no capítulo 5. Dieta de desintoxicação:

1. Dieta semicrudista: desjejum e jantar de frutas (preferir o melão). Lanches de frutas, sucos naturais ou água-de-coco. Almoço de saladas cruas (em que predominem os brotos), vegetais cozidos, como couve-flor, brócolis, vagem, abóbora, chuchu etc., arroz integral, um pouco de lentilha e tofu.

2. Essa dieta deve ser observada por pelo menos uma semana. Ir, então, acrescentando outros alimentos, como amêndoas, milho verde, ovo “caipira” cozido. Continuar com desjejum e jantar de melão por pelo menos mais uma ou duas semanas.

3. Pacientes cuja atividade seja desgastante não poderão suportar muito tempo essa dieta. Talvez tenham de adotá-la por uns cinco dias, e logo mudar o cardápio: apenas uma refeição de melão, e demais refeições naturistas normais, em que predominem alimentos crus (como indicado no capítulo 5).

4. Entre as refeições, tomar água com limão e própolis, pelo menos uma vez ao dia.

Esse tratamento produz às vezes eliminações, na forma de corrimento.

5. Mastigar completamente os alimentos. Comer sem pressa. Isso é indispensável à boa nutrição, pois não se vive do que se come, mas do que se assimila.

 

Plantas

O programa fitoterápico deverá ser administrado por um profissional instruído nessa arte, e não suprime a avaliação médica.

Em geral, começa-se com uma mistura de plantas depurativas, como dente-de-leão, cavalinha, tanchagem, chapéu-de-couro, cinco-folhas e camomila. Tomar duas ou três xícaras por dia do cozimento dessas plantas, durante duas semanas. A dosagem tradicional é uma colher, das de sopa, das plantas para 300ml de água.

Em seguida, escolher uma das seguintes plantas: casca-de-anta ou agoniada, e usar por uma semana. A dosagem tradicional é uma colher, das de sopa, das plantas para 300ml de água; ferver e filtrar. Interromper por uma semana, para tomar apenas água com limão e própolis. Repetir o procedimento, mudando as plantas:

Agoniada — Derramar meio litro de água fervente sobre uma colher e meia, das de sopa, das folhas picadas. Tomar de duas a três xícaras ao dia.

Artemísia — Cozimento de meia colher das de sopa da planta picada para meio litro de água. Uma xícara por dia.

Barbatimão — Ferver uma colher, das de sopa, da casca em 400ml de água. Duas xícaras diárias.

Camomila — Derramar meio litro de água fervente sobre uma colher e meia, das de sopa, das flores. Tomar de duas a três xícaras diárias.

Casca-de-anta — Ferver uma colher e meia, das de sopa, da casca em meio litro de água. De duas a três xícaras diárias.

Daikon — Ou folhas de nabo comprido japonês. Tomar três xícaras do cozimento ao dia. Duas colheres, das de sopa, para um litro de água.

Velame-do-campo — Ferver meia colher, das de sopa, das folhas e das raízes em meio litro de água. De uma a duas xícaras por dia.

Jequitibá — Preparar um decocto (cozimento) forte de casca de jequitibá com barbatimão, e fazer irrigações vaginais semanais, em caso de corrimento.

Urtiga-branca — Ferver uma colher, das de sopa, das flores em meio litro de água. Tomar de uma a duas xícaras por dia.

 

Você sabia?

Jequitibá (Cariniana brasiliensis)

É tradicionalmente indicado para combater corrimentos, inflamações da garganta etc.

Modo de usar: No caso de corrimentos, fazer irrigações locais com o chá da raiz de jequitibá juntamente com a raiz de barbatimão: Ferver em 1 litro de água 5 colheres, das de sopa, da casca picada. No caso de inflamação da garganta, fazer gargarejos com o mesmo chá.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.